Hangzhou – A Cidade do Céu descrita por Marco Polo.

Aproveitei uma 6ª feira que o Paulo tinha uma reunião em Hangzhou e fui com ele; enquanto ele trabalhava fui conhecer a cidade.

E que surpresa agradável !!!

ESSAS PLANTAS AQUÁTICAS SÃO FLOR DE LÓTUS. NÃO ESTÃO FLORIDAS.

Sempre ouvi falar de Hangzhou, mas imaginava uma cidade grande, com os lugares turísticos habituais da China para conhecer: jardins e templos. (Depois de um tempo aqui, você começa a achar todos os Templos iguais, é meio como as igrejas em Ouro Preto ou na Europa, você conhece cinco e parece que tudo é o mesmo).

Fui passear em um Templo chamado Jinyng e depois conhecer o Lago Oeste, mas aqui foi diferente e vou contar o porquê.

Antes é importante conhecer um pouquinho da história de Hangzhou.

A cidade foi capital da dinastia Song Meridional, entre 1138 e 1279. Marco Polo a descreveu como “a Cidade do Céu” a mais magnífica de todo o mundo. Mesmo depois que os Mongóis passaram a capital para Pequim, Hangzhou continuou a prosperar como cidade comercial.

Apesar do Exagero de Marco Polo, é uma cidade que merece ser visitada e um final de semana é ideal para conhecê-la.

Alguns pontos turísticos:

  • Lago Oeste – xī hú – falo dele mais abaixo.
  • Yue Fei Mu – Túmulo do general Song, Yue Fei, herói popular chinês.
  • Impression West lake – falo dele mais abaixo.
  • Museu de Medicina Chinesa.
  • Museu do Chá.
  • Vilarejo de Longjing – É um vilarejo que produz uma das mais famosas variedades de chá-verde da China.
  • Lingyin Temple – Lin yĭn shì – falo dele abaixo.

Lago Oeste (Xī Hú)

É considerado uma das maravilhas panorâmicas da China. É a atração principal da cidade. Ocupa 8km2 no coração de Hangzhou. Rodeado por colinas, com pontes decoradas por salgueiros e várias plantações de flor de lótus, inspira todos os jardins da China.

Combinaram a natureza chinesa e a habilidade humana e redesenharam toda a margem do lago, criando ilhas, pagodes, pontes e templos. Foi declarado patrimônio da Unesco em 2011.

Pode alugar um barco e passear pelo lago ou fazer uma caminhada pelas calçadas e passarelas sombreadas. Foi o lugar mais gostoso que eu pude passear a pé aqui na China, me lembrou os calçadões das praias no Brasil. (Não sei se eu estou muito carente de praia !!!).

Pontos importantes para conhecer no Lago Oeste:

  • Ponte para o Jardim Quyuan
  • Passarela Bai
  • Ilha de Xiaoying
  • Jardim Huagang
  • Passarela Su
  • Três pontos que refletem a Lua.

Dá para ficar passeando ao redor do lago o dia todo se quiser. Minha sugestão é reservar à tarde para ele, jantar em um restaurante na beira do lago e depois assistir o Show Impression West Lake (que falo abaixo).

Impression West Lake:

Toda a noite no lago em frente ao templo Yue Fei, tem um espetáculo de água, luz e dança criado pelo diretor Zhang Yimou, que produziu a abertura das Olimpíadas de 2008.

O show dura uma hora e tem duas sessões das 19h45min e das 21h00min. É um show bem bonito ao ar livre, com efeitos de luz e água. Parece que os bailarinos dançam sobre as águas.

Não espere nada como os shows dos EUA, “fogos, explosões,etc ….” aqui na China a simplicidade em suas demonstrações é o que comanda, mas Super Recomendo esse Show.

Lingyin Temple:

O templo fica em uma área montanhosa conhecida como Feilai Feng, foi fundado em 326 e já abrigou 3 mil monges que oravam em mais de 70 halls.

Ainda hoje é um dos maiores templos budistas da China. Sofreu vários ataques durante a Rebelião de Taiping e a Revolução Cultural.

A montanha tem dezenas de esculturas talhadas na rocha, muitas do século X, mas a mais impressionante é o Hall do Grande Buda, uma estátua de 20 metros, de 1956.

Hangzhou é bem perto de Shanghai, cerca de uma hora de trem rápido, a partir da Estação Hongqiao (Linha 2 e 10 do metrô), o trem sai o dia inteiro em intervalos pequenos.

Espero que tenham gostado de Hangzhou. Beijos e até o próximo lugar na China.

Anúncios

Tongli uma Cidadezinha à beira d’água.

Tongli

Um dos primeiros post que escrevi, logo que comecei meu blog, foi sobre Zhouzhuang https://xinachina.com.br/2017/01/25/zhouzhuang/ uma pequena cidade no Canal de Jinghang.

Hoje relendo, vejo que faltou um montão de informação, mas tudo bem vou compensar com esse sobre Tongli.

Mas o que Tongli tem a ver com Zhouzhuang, além da dificuldade de pronunciar os respectivos nomes?

Assim com Zhouzhuang, Tongli, Wuxi, Suzhou, Yangzhou, Hangzhou, entre outras, ficam à beira d´água ou à beira de um canal.

Mas o que é isso?

Em 486 a.C. foi iniciada a construção de um Grande Canal, que tinha como objetivo ligar Pequim a Hangzhou (o norte populoso com o sul produtor de arroz), cruzando campos de batalha e distribuindo alimentos para todo o império. O terreno acidentado levou às primeiras comportas duplas que se tem notícia em 984.

Sua construção durou 1.000 anos e continua sendo o maior canal artificial do mundo.

Diz a lenda que o imperador Sui, “comemorou” o término da obra navegando o canal com uma flotilha de barcos de dragão cheio das mulheres mais bonitas do império.

– Entendeu porque eu coloquei comemorou entre aspas?

Atualmente com o desenvolvimento das ferrovias, o grande canal perdeu sua função inicial, é utilizado para barcos de turismos, pesca e algumas barcaças transportam produtos locais.

Algumas das cidades que citei acima são muito prósperas como Suzhou, Yangzhou e Hangzhou e merece um post a parte (em breve).

Porém as demais são lindas cidadezinhas à beira d’água que dão uma ideia de como as grandes cidades devem ter sido no passado.

Todas as casas dão para uma rede de canais que são transpostos por dezenas de pontes de pedras.

Algumas dessas casas são abertas ao público e é superinteressante visitar seu interior. Existem casas que são verdadeiros palacetes com estacionamento de barcos, jardins maravilhosos e lagos internos com carpas.

Alguns pontos legais para conhecer em Tongli:

  1. Pearl Tower: É uma pequena torre de pérolas (mais ou menos interessante), mas a casa onde ela fica vale a pena conhecer.
  2. Three Bridges: Existem 55 pontes na cidade de Tongli. As mais famosas são as três pontes. É fácil localizar, pois essas três pontes estão juntas (tipo em uma esquina) e é perto do local onde saem os barquinhos para passear no canal. Ao se casar, no nascimento de uma criança, comemorando o aniversário, as pessoas atravessam as três pontes para rezar pela saúde, felicidade e pedir benção.
  3. Luoxing Zhou: É uma ilha no lago, onde estão representados o budismo, taoísmo e confucionismo. Durante o Festival da Primavera, as pessoas vão até lá para tocar o sino e orar.
  4. Dar uma volta de barco pelos canais é bem barato RMB 90 para seis pessoas. Vale a pena.

Já visitei duas vezes cada uma dessas cidades, a própria agente de turismo !!

Gostei mais de Tongli do que Zhouzhuang, achei Tongli com menos turistas, dessa forma é mais gostoso passear e um pouco mais “organizada e limpa”.

Na foto acima o rapaz está puxando uma goma de gengibre para fazer bala.

Embora nas duas cidades seja muito difícil comer, no máximo um café, água, refri e sorvete. Não tanto pela comida (atualmente já estou encarando a comida chinesa) mas principalmente pela higiene.

Como comentei no post sobre Xidi  https://xinachina.com.br/2017/05/03/xidi-uma-aldeia-no-interior-da-china/, para mim o maior problema das lindas cidadezinhas muito antigas aqui na China é a higiene.

Isso faz com que perca aquele charme especial. Aquela vontade de sentar na beira do canal, bebendo e comendo alguma coisa gostosa e ver a cidade passar na sua frente.

Eu ainda não aprendi a fazer isso aqui na China !!!

Mas mesmo assim, vale muito a pena conhecer qualquer uma dessas cidades com muitos anos de história e com certeza você terá fotos lindas.

 

E aí você tem vontade de conhecer alguma dessas cidades com mais de 1.000 anos de história ? Deixe aqui seu comentário.

Zài Jìan.

 

 

 

HuangShan – Montanhas Amarelas 黄山

HUANGSHAN – MONTANHAS AMARELAS 黄山

Minhas sobrinhas Marina e Isabela, vieram passar alguns dias conosco aqui em Shanghai, decidimos levá-las para conhecer Huang Shan – As Montanhas Amarelas, pois essa região faz parte dos Tops Ten pontos turísticos da China e lá elas poderiam ter uma vivência bem local.

Infelizmente o Paulo teve um imprevisto na empresa e não pode ir, partimos então para nossa aventura nas Montanhas Amarelas, a Ma, a Bela e eu !!

As Montanhas Amarelas tem esse nome, não porque os grandes picos são amarelos e sim porque a área foi morada do lendário Imperador Amarelo Huang Di em 747 DC, que estudou medicamentos preciosos, diz a lenda a pílula da imortalidade.

Vários templos budistas foram construídos e tornou-se uma das principais atrações turísticas devido à qualidade de seus pontos panorâmicos.

A Montanha Amarela é uma das mais famosas e lindas áreas de montanha da China. Em 1990 passou a ser Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Na Dinastia Ming o notável geólogo Xu Xiake escreveu:

“ You don´t need to see any more mountains after seeing *The Five Mountains, and you don´t need to see the other four mountains after seeing Huangshan”.

* As Cinco Montanhas são montanhas Sagradas na China de acordo com o taoísmo.

Cenas do filme Avatar e o Mundo de Pandora foram inspirados em Huangshan. Algumas paisagens das montanhas lembram justamente Pandora.

De Shanghai até Huang Shan, tem trem de alta velocidade, o percurso dura 4 horas, não tanto pela distância, mas mais pelas paradas em outras estações.

Chegando à Estação de Trem de Huangshan, existe ônibus ou taxi para levar até a cidade, o percurso de taxi leva 1 hora.

Já na cidade, existem linhas de ônibus específicas que te levam até o pé da montanha. Você pode subir a montanha de Cable Car ou a pé. A segunda opção não recomendo pois além de distante e cansativo, não tem muito o que apreciar. Há duas estações de cable car, uma chamada Yungu (Essa fica mais próxima da maioria dos hotéis na montanha) e outra Yuping.

Importante o Cable Car funciona das 06h30min h às 16h30min h, por isso se você chegar após esse horário, não conseguirá subir a montanha, então terá que dormir em um hotel na cidade para subir na manhã seguinte. Nós passamos a noite no hotel Sinotrans, é bem perto da estação de ônibus que te leva até o Cable car. Para uma noite Ok.

Você pagará o valor de 90 RMB pelo cable car, porém para subir há uma taxa de Admissão na montanha no valor de 230 RMB.

O tempo de subida de Cable Car é em torno de 30 minutos.

Quando você chega lá em cima, até o seu hotel (a maioria dos hotéis são próximos), leva aproximadamente 1 hora de caminhada.

Por isso o ideal é levar apenas uma mochila com suas roupas. Mas caso você precise, existem os carregadores de bagagem. Você negocia o valor, paga na hora para o chefe deles (que tem cara de Máfia Chinesa) e depois dá uma gorjeta para o super herói que carregou suas tralhas montanha acima.

Ficamos no Xihai Hotel, super recomendo. Toda a equipe fala um inglês básico, o café da manhã tá incluso, porém é difícil, da para matar a fome com milho, ovo cozido, maçã e um pãozinho com pãozinho, o restante….. eu passo.

Depois do café você sai para sua caminhada na montanha e só volta no final da tarde. Então leve água, chocolate, bolacha, maçã o que quiser para te dar energia e força.

Na volta para o hotel no final do dia, nada melhor que um bom banho quente, massagem nos pés (HEN HAO) e um jantar quentinho com arroz, hot pot de carne e carne de porco com bambu. Uma Delícia!!!

Aí você cai na cama, morto e com dor no corpo todo, dorme como um anjo, no silêncio da montanha e estará pronto para o dia seguinte de mais Beleza.

Os Principais Pontos para conhecer:

  1. Greeting Guest Pine: É um grande Pinheiro de 10 metros que parece dar boas vindas aos visitantes.
  2. Flying Over Rock: É uma enorme pedra com 12 metros inclinada na borda de outra pedra, o mais impressionante é o pequeno ponto de contato entre elas.
  3. O mar de nuvens: Em alguns pontos muitos picos parecem ilhas no céu. O melhor período para apreciar esse fenômeno é entre Novembro a Maio.
  4. Os principais Picos: Celestial Capital Peak (1.800 m), Lotus Peak (1.873 m), Bright Top (1.841m).
  5. Hot Springs: Conhecida como Fonte da Juventude, fica no pé da Montanha, é um lugar para relaxar e descansar da árdua caminhada pelas montanhas. Foi descoberta a mais de 100 anos atrás.
  6. Caminhada pelo Canion Oeste. Sugiro descer o Canion e subir depois pelo Monorail.
  7. Apreciar o Nascer e Por do Sol. Abaixo a tabela de horário do nascer do sol.

 

DICAS:

  • No Mínimo dois dias de Visita. Se você gosta de caminhadas em montanhas sugiro 03 dias.
  • Você vai apreciar as magníficas vistas panorâmicas, fotografar e caminhar bastante.
  • Onde ficar: Para os dois ou três dias de visita o ideal é se hospedar em um hotel no topo da montanha. São ótimos hotéis ( Xihai Hotel ou Behai Hotel).
  • Escolher muito bem o período que vai visitar, pois no Inverno a neve apesar de tornar as paisagens magníficas, dificulta bastante a caminhada, por isso se escolher esse período tenha com você todos os equipamentos de neve.
  • Tênis ou sapato apropriado para longas caminhadas.
  • Roupas confortáveis, quentes e de preferência a prova de água. Lembre-se que em alguns momentos você estará no meio das nuvens, por isso é bastante úmido.
  • Roupas que te protejam dos ventos.
  • Mapa de localização. Muito Importante, pois em algumas bifurcações você terá dúvidas e um erro, irá ocasionar muita perna para voltar.
  • Protetor solar em qualquer estação. O Sol da montanha, mesmo que ele não apareça, queima.
  • Em Julho a temperatura média é de 21º C mas em Janeiro -6º C.
  • Fomos num período de Monções (Começo de Julho), ou seja muita chuva, talvez optasse por outro período.

A infraestrutura da Montanha é impecável, muito limpo, sempre tem alguém recolhendo qualquer folha que caia das árvores (isso é até segurança para ninguém escorregar), sinalizado, todo o percurso possui caminhos de pedras e guarda corpo também em pedras, muitos deles esculpidos com desenhos de animais ou detalhes delicados. Vários locais com câmera de segurança.

Foi um passeio incrível, ainda espero voltar com o Paulo para que ele possa conhecer.

Beijos e até o próximo lugar na China.

 

 

 

Templo do Céu

O Templo do Céu – Temple of Heaven

Terminado durante a dinastia Ming, ficou pronto no mesmo ano em que a Cidade Proibida 1420, é hoje Patrimônio Mundial da Unesco.

Templo do Céu ou Tian Tan em chinês é um dos maiores complexos de templos da China e um dos principais cartões postais de Beijing.

Nele o imperador podia fazer sacrifícios de animais e orar aos céus e a seus antepassados.

Como Filho do Céu, o imperador era capaz de interceder aos deuses, a favor de seu povo e rezar por uma boa colheita. A legitimidade era garantida porque apenas os bons eram reconhecidos divinamente.

Observe o lugar onde eram colocados os animais para o sacrifício.

Era inacessível as pessoas comuns na Dinastia Ming e Qing.

O que mais impressiona é a arquitetura arredondada, o equilíbrio e as cores. Vista de cima, a construção é redonda e a base é quadrada, segundo a noção de que o Céu e redondo e a Terra é quadrada. 

Para se chegar ao topo, três lances de escadas de mármore formam um círculo de 90m de diâmetro e 6m de altura.

O salão é todo feito em madeira sem o uso de um único prego.

O Templo do Céu fica num parque grande e agradável, onde as pessoas praticam Tai Chi Chuan, cantam e dançam.

Se você tem tempo vale a pena visitá-lo com calma, em geral os tour deixam essa visita para o final da tarde e depois de várias outras, ou seja, você já está cansado e não aproveita tudo o que esse parque tem a oferecer.

Até a próxima dica de lugares.

Palácio de Verão – A casa de Praia das Imperatrizes.

Palácio de Verão – A casa de Praia das Imperatrizes. 

Todo Mundo quer ter sua casa própria. Depois que ela foi conquistada a próxima meta é talvez um apartamentozinho na praia !!

Pois é, desde aquela época os imperadores, e principalmente as imperatrizes, queriam fugir do calor da cidade para o seu Palácio de Verão.

E é claro que nós, entendemos!!

O Palácio de Verão é um dos lugares mais bonito de Beijing e o jardim imperial mais famoso da China.

Foi construído em 1750, pelo imperador Qianlong, dinastia Qing, em homenagem a sua mãe.

Os prédios, pavilhões e corredores eram dedicados à administração imperial e a residência.

Existe um corredor que leva até a Colina da Longevidade, que tem 728 metros e que emolduram mais de 14 mil pinturas. É maravilhoso!

O Palácio foi alvo de diversos ataques, durante a Guerra do Ópio (Tropas Francesas e Inglesas) e depois saqueado durante a Rebelião Boxer; porém a imperatriz Cixi, vale a pena ler o post apenas dela https://xinachina.wordpress.com/2017/06/22/cixi-uma-concubina-a-frente-de-seu-tempo/, não poupou recursos para reerguê-lo.

A imperatriz usou dinheiro da força naval, deixando os oficiais literalmente a ver navios; construiu a réplica de um barco em mármore, uma de suas extravagâncias, que até hoje está flutuando no norte do lago Kunming.

O Palácio de Verão é um passeio imperdível.

Vale a pena reservar meio período do seu dia para conhecê-lo e observar os detalhes das construções e dos jardins.

Todas as pedras, que decoram o jardim, foram transportadas da região de Suzhou para Beijing.

E você gostaria de uma casa de verão tipo o da Imperatriz Cixi ?

Eu particularmente acho muito grande e fico imaginando a trabalheira para limpar ou então a dor de cabeça que você teria nas suas férias para administrar o número imenso de funcionários. Mas isso são pensamentos de pobres plebeus !!!

Até a próxima dica de lugares nessa imensa China.

Zái Jiàn. 

 

A Cidade Proibida

A Cidade Proibida

Quando ouvimos falar em Cidade Proibida, logo vem em nossa mente o filme “O Último Imperador – 1987”, um filme biográfico sobre o imperador Puyi, foi o primeiro filme autorizado pelo governo da República Popular da China a ser filmado na Cidade Proibida.

Cidade Proibida fica localizada no centro da antiga cidade de Pequim.

Durante quase cinco séculos serviu como residência do Imperador e do seu pessoal doméstico, sendo atualmente o centro cerimonial político do governo chinês.

O título de Cidade Proibida surgiu pelo fato de somente o imperador, sua família e empregados especiais terem permissão para entrar no conjunto de prédios do palácio. Trata-se de uma cidade dentro de outra cidade.

É o maior palácio do planeta.

 

Durante séculos, apenas a família do imperador, além dos oficiais e empregados mais graduados tinham permissão de entrar no local. Qualquer outra pessoa que ousasse atravessar seus portões sem a devida autorização, era sujeita a uma execução sumária e dolorosa.

Construído entre 1406 e 1420, o complexo consiste em 980 edifícios e cobre 720.000 metros quadrados.

A Cidade Proibida foi declarada Patrimônio Mundial da humanidade em 1987.

No século XX, a Cidade Proibida sofreu uma transformação extraordinária.

O século começou com o fim de uma dinastia e a expulsão do último imperador, Puyi.

O palácio foi aberto como museu em 1925, mas sofreu com a ofensiva japonesa em 1931, quando cerca de 19 mil caixas contendo artefatos foram retiradas da Cidade Proibida. Os objetos voltaram a Pequim após a Segunda Guerra Mundial.

Depois de ser o lar de vinte e quatro Imperadores, catorze da Dinastia Ming e dez da Dinastia Qing, a Cidade Proibida deixou de ser o centro político da China em 1912, com a abdicação de Puyi, o último Imperador da China.

No entanto, segundo um acordo assinado entre a Casa Imperial Qing e o novo governo da República da China, foi permitido/ordenado a Puyi, viver no interior das paredes da Cidade Proibida.

Em 1924, Feng Yuxiang tomou o controle de Pequim num golpe, não respeitando o acordo prévio com a Casa Imperial de Qing, Feng expulsou Puyi do palácio.

Dizem que o último Imperador terminou seus dias como jardineiro.

Em 1949, a República Popular da China foi proclamada na Praça da Paz Celestial, diretamente em frente da Cidade Proibida. Durante as duas décadas seguintes foram feitas várias propostas de arrasar ou reconstruir a Cidade Proibida para criar um parque público, ou um “lugar de entretenimento”.

A Cidade Proibida sofreu alguns danos durante este período.

Os danos atingiram o seu auge durante a Revolução Cultural.

Em 1966, a Galeria do Culto aos Ancestrais teve alguns artefatos destruídos para permitir uma exibição de esculturas revolucionárias em terracota.

No entanto, uma futura destruição foi prevenida quando o primeiro-ministro, Zhou Enlai, interveio enviando um batalhão do exército para guardar a cidade. Estas tropas também preveniram o saque por parte dos Guardas Vermelhos, que tinham como objetivo demolir as “Quatro Velharias” (Velhos Costumes, Velha Cultura, Velhos Hábitos e Velhas Ideias).

Entre 1966 e 1971, todos os portões da Cidade Proibida foram selados, salvando-a de mais destruição.

A Cidade Proibida mantém importância no esquema cívico de Pequim. O eixo central Norte-Sul permanece como o eixo central da capital chinesa.

Este eixo estende-se para Sul através do Portão Tiananmen até à Praça da Paz Celestial, o centro cerimonial da República Popular da China.

 

A famosa Praça da Paz Celestial, palco dos protestos estudantis de 1989.

“Lembram-se daquela imagem do estudante colocando-se à frente de um canhão”.

É toda de concreto e sua arquitetura tem mais de Mao Tse Tung do que da China Imperial. No centro da praça há o Mausoléu de Mao e, ao redor, várias construções da era comunista, como a sede do Congresso do Povo e o Museu Nacional.

A Cidade Proibida está rodeada por uma muralha com 7,9 metros de altura e por um fosso com seis metros de profundidade e 52 metros de largura.

Simbolismo

O desenho da Cidade Proibida, do seu esboço geral ao menor detalhe, foi meticulosamente planejado para refletir os princípios filosóficos e religiosos, e todos os simbolismos estão ligados à majestade do poder Imperial.

Entre os mais notáveis exemplos simbólicos incluem-se:

  • O Amarelo, como a cor do Imperador. Desta forma, quase todos os telhados da Cidade Proibida ostentam telhas amarelas vidradas.
  • Existem apenas duas exceções. A biblioteca no Pavilhão da Profundidade Literária tem telhas pretas porque o preto está associado com a água e, desta forma, com a prevenção de incêndios. Similarmente, as residências do Príncipe Imperial possuem telhas verdes porque o verde está associado com a madeira e, desta forma, com o crescimento.
  • Leão Chinês que guarda a entrada de um dos salões da Cidade Proibida. Sempre estão em pares onde a fêmea, tem um filhote sob a pata e o macho tem uma bola.
  • Fênix e Dragão: Yin e Yang.
  • Tartaruga: longevidade.

Dicas

  • Vá com bastante disposição para andar.
  • Não entre pelo portão abaixo da Foto de Mao, tem muita gente e sim pelo jardim a esquerda, você paga um valor simbólico para entrar pelo jardim, mas é bem tranquilo.
  • Sapatos Confortáveis.
  • Leve Água.
  • Reserve pelo menos 3 horas para conhecer uma boa parte do complexo.
  • É impossível conhecer tudo, são mais de 9.000 quartos e salas.
  • No Verão é muito quente, então visitas no meio da tarde são mais agradáveis.

Hoje dia 16 de Junho é meu niver, então ” Shēngri kuài lè !! “

Zài Jiàn até o próximo lugar !!

 

Hutong em Beijing. O que é isso ?

HUTONG

Para entendermos o que são os Hutongs, coloquei abaixo uma pequena reprodução do desenho da Mulan, vale a pena dar uma olhada para ficar mais fácil entender.

Observem a Torre do Tambor e o Portão de Entrada da Siheyuan.

Os hutongs são becos ou ruas bem estreitas formadas por linhas de siheyuan.

Siheyuan são residências com um pátio interno, como do desenho da Mulan. Nesses complexos residenciais morava e mora toda a família.

O Maior complexo siheyuan é justamente a Cidade Proibida.

Turista pedalando em um Hutong. De cada lado os muros de Siheyuan.

Os imperadores planejaram a cidade de Pequim e organizaram as áreas residenciais de acordo com as classes sociais. O termo “hutong” apareceu primeiro durante a Dinastia Yuan e é um termo de origem mongol que significa “poço da água”.

Na dinastia Ming (início do século 15), o centro era a Cidade Proibida, cercado em círculos concêntricos.

Os cidadãos de maior status social foram autorizados a viver mais perto do centro dos círculos. Os aristocratas moravam a leste e a oeste do palácio imperial. O grande siheyuan desses oficiais de alto escalão e comerciantes ricos geralmente apresentava feixes de telhado e pilares belos e pintados e jardins cuidadosamente ajardinados. Os hutongs que eles formaram foram ordenados, alinhados por espaçosas casas e jardins murados. Mais longe do palácio, e ao norte e ao sul, eram os comerciantes, artesãos e trabalhadores.

Muitos bairros foram formados juntando um siheyuan a outro para formar um hutong e, em seguida, juntar um hutong a outro. A palavra hutong também é usada para se referir a tais bairros.

A distribuição dos hutongs é baseada no feng shui, a ciência que prima pela harmonia a partir de elementos da natureza.

Todas as entradas dos hutongs estão voltadas para o Sudeste.

Porta de Entrada preservada de uma Siheyuan.

O hall principal ficava sempre voltado para o norte e costumava ser reservado para os mais velhos da família.

Construídos durante as três últimas dinastias do Império Chinês, entre 1271 e 1911, os hutongs moldaram hábitos, cultura e formas de relacionamento dos chineses.

Sua principal marca é a vida comunitária, já que a privacidade é um elemento escasso. A maioria das casas não tem banheiro. Os moradores utilizam sanitários e banhos públicos e cada siheyuan tem uma minúscula cozinha ao ar livre, onde tudo é compartilhado.

Daí vem o hábito de andar pelas ruas de pijamas.

Com toda família morando junto, é necessário um forte espírito de comunidade!

Dá para imaginar ?

O cinza predomina, e o tom monocromático é austero, une-se a isso o vermelho das portas e das lanternas chinesas.

Antigamente eram casas de altos funcionários do império e dos abastados. Muito charmosas e limpas, após a Revolução Chinesa e a queda do Império, os hutongs foram assumidos pelo Estado e se tornaram propriedade particular. Muitos moradores de Pequim ainda vivem nos hutongs, porém hoje a situação é bem precária, muito sujo e bagunçado.

Algumas casas atualmente são restaurantes e lojas.

Em nossa visita aos Hutongs, houve uma mistura de sentimentos. Se você pensar apenas na história e na cultura que ali existe é bem interessante, porém se você analisar a atual realidade, o que se vê é muita pobreza e uma vida bem dura. O sentimento acho que é similar a visita a uma Comunidade no Brasil, ou seja nossas Favelas.

Tentam dar uma visão romântica para uma baita vida dura. Falam que o preço de um imóvel naquele lugar é exorbitante, mas sinceramente, quem compra? Muitos podem não concordar comigo, mas acredito que os Hutongs assim como nossas favelas seriam mais dignos de moradia e teriam o ar romântico que tanto se apregoa se não fossem mal cuidados e ainda marginalizados.

Apesar do desconforto, são poucos os que gostariam de abandonar os hutongs. O crescimento econômico e a modernização dos últimos anos levou o governo de Pequim a destruir centenas dessas tradicionais formas arquitetônicas, para dar espaço à infraestrutura, como metrô e estacionamentos, o que obrigou seus antigos moradores a se transferirem a apartamentos, nos quais o isolamento é maior.

E pelo tempo que estou aqui ISOLAMENTO e CHINESES são duas palavras que não combinam.

Mais recentemente, muitos hutongs foram designados como protegidos, na tentativa de preservar esse aspecto da história cultural chinesa. Mas mesmo designados como protegidos, pouca coisa é feita para dar ao local um ar mais organizado e limpo.

Os passeios pelas hutongs são feitos de riquixá.

Os moradores gostam de sentar, bater papo e jogar o xadrez chinês (xiangqi).

Ainda existem muitos hutongs, com algumas centenas de anos, mas os mais preservados estão nas imediações da Bell Tower e da Drum Tower e do Lago Shichahai.

Olha a Torre do Tambor que eu falei para obsevar no desenho da Mulan.

E aí? Você gostaria de Conhecer os Hutongs? Deixe aqui seu comentário.

Zài Jiàn.

A Grande Muralha – Um dos Lugares mais Lindos que já conheci.

GRANDE MURALHA – GREAT WALL

No último post eu falei sobre os feriados aqui na China e contei que teríamos um Feriado prolongado que foi o Dragon Boat Festival; pois é, nesse feriado aproveitamos que o Gui e a Aline estavam aqui e fomos conhecer Beijing.

Obs.: O Gui (Guilherme é o meu filho mais velho e a Aline minha futura nora).

Como Beijing tem muita coisa para conhecer e contar,vou dividir os post em partes, assim fica mais agradável para ler.

Tenho que começar por um dos lugares mais lindos que já vi na vida a Grande Muralha!

Ela realmente é tudo aquilo que nós pensamos e imaginamos! O que vale a pena nesse Post são as Fotos.

Uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno incluída em 2007 pela UNESCO e uma das obras mais impressionantes do planeta!!!

A Grande Muralha foi construída ao longo de vários séculos para deter povos invasores. Estima-se que haja cerca de 20 mil km de muralha por toda a China.

Originalmente era uma série de fortificações desiguais construídas por estados separados. A Grande Muralha só foi criada após a unificação da China no reinado de Qin Shi Huangdi (221 – 10 a.C.).

Apesar das fortificações impressionantes, a muralha se mostrou ineficaz, pois foi transposta pelos mongóis no século XIII e pelos manchus no século XVII.

Como a Muralha aproveitou a natureza do terreno para fins defensivos, acompanhando os pontos mais altos e subindo as serras, ela agora oferece vistas panorâmicas maravilhosa.

Suas Torres possibilitavam comunicações rápidas, por meio de fumaça, luz, tambores e sinos.

O deslocamento de tropas por todo o país, também era feito pela muralha.

Atualmente existem três pontos para visitação:

  • Badaling- Cerca de 70 km de Beijing, atrai mais turista, é um trecho todo reformado com mais de 7 Km de muralha, garante lindas imagens da Muralha que parece não ter fim, o inconveniente é que sempre terá muita gente na sua foto. Período da Dinastia Ming.

 

  • Mutiany- Cerca de 90 km de Pequim. Dinastia Qi do Norte. É mais descolada, tem menos gente, isso não quer dizer “pouca gente”. Foi nessa parte que eu fui. Tem um bom centro comercial logo na entrada, com Burger King, KFC, Subway. Bem organizado, você sobe com um ônibus do parque até uma parte central, onde você poderá optar subir e descer de bondinho ou subir de teleférico e descer de tobogã (bem legal e seguro). Tem uma série de Torres de Observação ao longo do trecho da muralha.Lá em cima é hora de mostrar o condicionamento físico, pois os degraus são bem íngremes, mas depende de você querer andar mais ou menos na muralha; mesmo pessoas mais idosas podem apreciar uma boa parte da muralha.

 

  • Chenjiapu, a casa de Lao Chen – 60 km de Pequim. Quem é avesso a turistas, gosta de caminhar na mata e quer ver a Muralha sem pressa, pode ir à pequena vila de Chenjiapu. A casa de Chen oferece quartos bem simples e comida local. O casal que cuida da casa fala apenas chinês.

DICAS:

  •  Se vier à China e a Beijing, a Grande Muralha é passeio obrigatório, não perca essa oportunidade.
  •  Se tiver que optar por um passeio em Beijing: 1º Great Wall, 2º Cidade Proibida.
  •  Há trechos bem íngremes, por isso use calçados anti derrapante e confortáveis.
  • Leve água, pois você irá precisar.
  • Use Roupas confortáveis também.
  • A muralha fica a céu aberto, por isso use protetor solar, chapéu e prepare-se caso tenha previsão de chuva.

ZÀI JIÀN.  Até a próxima dica de lugares na China.

 

 

Xidi uma Aldeia no Interior da China

Xidi uma Aldeia na Província de Anhui.

 

A província de Anhui fica a oeste de Shanghai. As principais atrações de Anhui estão no sul, onde extensos arrozais são banhados pelo rio Huai.

Hongcun e Xidi foram em 2.000 considerados pela Unesco, patrimônios da humanidade, são conhecidas pelas casas Ming e Qing.

Hongcun data de 1.131, cercada de montanha é conhecida como “vilarejo de uma pintura chinesa”, a cidadezinha tem traçado em forma de búfalo e é irrigada por uma rede de canais. É uma aldeia mais “cosmopolita” (cuidado com a palavra cosmopolita, porque está entre aspas), quero dizer: tem mais restaurantes, mais movimento, um pouco mais agitada.

Xidi recebeu esse nome devido a um rio da aldeia percorrer em direção Leste-Oeste, uma vez que “xi”, em chinês, significa oeste.

Mas também o nome Xidi está relacionado com o fato de a região ter tido um posto de correio na antiguidade (“di” significa correio em chinês).

Xidi tem um labirinto de vielas com mais de 100 casas que datam do fim do período Ming. Algumas têm pátios charmosos e interiores decorados com painéis de madeira entalhada e biombos. Tive e oportunidade de ficar hospedada em uma dessas casas.

Na verdade era um antigo chiqueiro da cidade que a artista plástica Li Guoyu transformou em uma charmosa pousada – Pig’s Inn e mobiliou com móveis da época. Juro é limpo e cheiroso!!!!

A cidade é toda murada, todas as casas são brancas, uma pintura caiada desbotada pelo tempo, e o que chama mais a atenção são as telhas pretas e os formatos dos telhados.

A arquitetura das casas, cada detalhe, as pequenas janelas posicionadas no alto das residências inspiram os artistas da região a sentar em suas estreitas ruas e desenhar.

O charme da cidade está na arquitetura, nos estreitos becos pavimentados de pedra ardósia.

O mármore preto é o material mais utilizado na produção de arcos de portas e janelas da aldeia, transmitindo uma sensação solene e misteriosa. É usado também no artesanato local, onde lindas e caras esculturas são produzidas.

Ainda é um roteiro turístico bem local, durante os três dias que ficamos lá, éramos os únicos ocidentais.

Não preciso dizer que a atração de Xidi nesses dias foi a Arquitetura, eu e o Paulo.

Ninguém fala inglês, mas todos tentam te ajudar de alguma forma. O melhor é ir para lá, ou com uma agência de turismo ou com algum amigo local que possa ser seu tradutor e facilitar sua vida.

Onde comer:

Os restaurantes em Xidi são escassos e os poucos que tem, servem comida da região, em geral são pratos simples e caseiros, como frango refogado, muita verdura refogada (como espinafre, chuchu, broto de bambu), porco com batatas, peixe de rio, etc.

Dá para comparar Xidi com uma Parati ou Ouro Preto, mas apesar de toda a história e arte ali existente, falta o charme de um restaurante para terminar a noite, ou tomar um café à tarde. Isso aqui não existe!! Um bom vinho ou uma cerveja gelada é difícil.

A cidade vive de sua agricultura, e tudo o que é consumido em sua alimentação é plantado ali.

Ficando em Xidi, você pode visitar Hongcun, ou vice versa, pois as cidades ficam bem perto uma da outra, 20 km.

Além das duas cidades existe o Parque Shili que é uma Floresta de Pedras, bem legal para conhecer e suar.

A região é muito bonita, cheia de plantações de chá, toda florida. Isso porque estivemos lá na primavera, mas algumas fotos do Inverno com neve torna a cidade muito charmosa também.

Você pode ir de avião Shanghai/Tunxi – Huangshang City, uma hora de voo ou ônibus 5 horas (sem trânsito), não existe trem de alta velocidade para essa região ainda.

Tunxi está à uma hora de Xidi. Alguns hotéis em Xidi disponibilizam transfer do aeroporto até o hotel.

Foi uma super experiência conhecer essa cidade, indico para quem não tem receio de se aventurar pelo interior da China, você não encontrará conforto, boa gastronomia nem sofisticação, mas dá para relaxar a mente, dormir num silêncio profundo e respirar ar puro.

 

Zài Jiàn. Até a próxima cidade.

 

Chengdu a Terra dos Pandas

Chengdu a Terra dos Pandas

Quem vem à China pela primeira vez, em geral, faz os passeios conhecidos: Shanghai, Beijing (Muralhas e a Cidade Proibida) e Xian (Terracotas); mas se você tem tempo, alguns lugares não tão internacionais, mas bem turísticos para os chineses são bastante interessantes.

Um deles é Chengdu. No último feriado daqui que foi dia 4 de abril – Tumb sweeping ou Finados, fomos conhecer Chengdu. Em breve vou falar sobre os feriados daqui.

A sudoeste da China fica a província de Sichuan, sendo sua capital Chengdu, uma cidade moderna, muito florida, bem cuidada e tranquila com a maioria de suas atrações no centro. Levamos cerca de 3 horas de voo de Shanghai para Chengdu.

 

As duas maiores dificuldades que encontramos foram: a língua, pois até nos hotéis a comunicação em inglês é difícil e em todas as atrações (museus, templos, etc.) os informes são apenas em mandarim, sem falar nos taxis. A outra é a comida, é bem difícil achar um restaurante com alguma coisa que te agrade, então você fica refém da comida do hotel.

Quando você fala para algum chinês que vai para Chengdu, eles logo te dizem: “- Huumm ! The best China’s snacks!!” O que você não imagina é que os tais “snacks”, são os espetinhos vendidos na rua, onde a higiene é bem questionável. Não tive coragem de experimentar, nem tanto pelo sabor, mas pela situação, imagina aquela bacia com comida no chão da calçada !!!! Sem chance.

Isso era um Cordeiro !!!

Em Chengdu as principais atrações são:

  1. Centro de Pesquisa e criação do Panda Gigante – falo dele mais embaixo.
  2. Wuhou Temple – falo dele mais embaixo.
  3. Wenshu Monastery.
  4. Baoguang Temple – falo dele mais embaixo.
  5. Ópera de Sichuan – interessante falo abaixo.
  6. Dufu Thatched Cottage.

Um pouco mais distante de Chengdu, em geral um dia para cada passeio, mas que valem muito a pena, estão:

  1. Jiuzhaigou Valley – aproximadamente 400 km de Chengdu, no norte da província de Sichuan, para esse passeio o melhor é ficar em Jiuzhaigou, pois são aproximadamente 10 horas de viagem de ônibus. Essa região é conhecida como Paraíso na Terra, devido suas formações geológicas.
  2. Huanglong – É muito próximo de Jiuzhaigou. Devido a milhares de anos de evolução geológica somados às condições climáticas da região, Huanglong é dona de paisagens únicas com formações espetaculares de pedra calcária dando vida às inúmeras piscinas naturais de cores vibrantes mundialmente famosas, cachoeiras e fontes termais. “Vale um post só dessas duas regiões”.
  3. E´Mei Mountain – está localizada no Sudoeste de Sichuan, está a 156 Km de Chengdu, é uma das quatro mais famosas montanhas budistas.
  4. Leshan Giant Buddha – falo dele mais embaixo.
  5. Sanxingdui Ancient Relicis – Está a 30 Km de Chengdu e apesar de ser considerado nível AAAA como relíquia cultural, é uma FURADA. É um parque no meio do nada, onde só tem chinês fazendo picnic e você verá algumas descobertas arqueológicas. Não recomendo, a não ser que você curta muuuuito arqueologia.

Centro de Pesquisa e Criação do Panda Gigante

Terra dos Pandas !!

É um parque lindo que vale muito a pena você passar boas horas por lá. O mais que famoso Panda gigante é encontrado só na China e apesar de parecer que sua população está aumentando cerca de 1.600, ainda está ameaçado de extinção.

Sichuan é um habitat natural dos pandas. Os animais comem basicamente bambu, de 15 a 30 kg de bambu por dia. Apesar de serem vistos em grupos familiares, eles tem uma existência solitária e não procriam muito, sua estação de procriação é somente por alguns dias da primavera e são muito criteriosos na escolha do parceiro.

A pata do panda adaptou-se à sua dieta. O pulso transformou-se numa espécie de “polegar”, apto a pegar as hastes de bambu. Por isso é tão bonito vê-los comendo, parecem crianças.

O Centro de Pesquisa de Chengdu, possui um programa de reprodução, através de inseminação artificial e já produziu 32 nascimentos com 29 sobreviventes em 2008.

O parque possui: museus, cafés, lagos, restaurantes, cinema sobre a história dos pandas, enfermaria e hospital veterinário, locais onde ficam os pandas separados por idade, setor para os Pandas vermelhos. Enfim é um centro de pesquisa e criação, aberto ao público, para que possamos conhecer e estar perto desses animais que todo mundo quer pegar no colo.

 

PANDA VERMELHO

Wuhou Temple

Belíssimo !!! É um templo dedicado ao ministro da Guerra Zhuge Liang, brilhante estrategista militar no período dos Três Reinos (221-263 d.C.). A arquitetura e os detalhes dos telhados são algo a parte.

 

Baoguang Temple

É um Templo Budista da Luz Divina, construído entre 25 – 220 d.C. Centenas de estátuas de Budha são apresentadas. Estamos aos pés do Tibete e é bem interessante ver os monges que circulam por lá.

Ópera de Sichuan

Muito Chinês !!!!

Cantada no dialeto de Sichuan, é menos formal que a Ópera de Pequim. Cheia de humor, conta sobre as lendas locais em um canto agudo, acompanhado de percussão e acrobacias. O bianlian, o truque sichuanês de mudar de rosto (FaceChange) , permite a cada ator fazer vários personagens; com um rápido gesto da mão, mudando a máscara.

Tem uma troca de roupa também no mesmo formato da troca de máscaras, que se eu não me engano a escola de Samba Unidos da Tijuca apresentou esse truque na comissão de frente no carnaval de 2010.

Agora o mais inusitado de tudo é que enquanto o show rola, nos cantos do salão está acontecendo massagens e pasmem !!! Limpeza de Ouvido !!! É isso aí, um “especialista” limpa os ouvidos de quem quiser usando um diapasão e um “cotonete gigante” que não tenho certeza se há troca entre um “paciente e outro”.

Leshan Giant Buddha

Esse só aqui na China !!!

O imenso Dafo (Grande Buda) com 71 m de altura, está esculpido sobre o arenito vermelho da montanha de Lingyun, de frente para a junção dos rios Min, Dadu e Qingyi.

A história conta que em 713 um monge, Haitong, quis salvaguardar os barcos que passavam criando um ícone protetor nas rochas; embora fosse prático, pois o pedregulho resultante preencheria os bancos de areia. Quando Dafo foi concluído, outros templos e imagens haviam sido construídos em volta dele.

Quando a ideia de Haitong foi aceita, juntaram-se fundos e dinheiro do governo para iniciar as obras. O monge vivia numa gruta atrás da cabeça de Dafo; você pode entrar no pequeno espaço da gruta, frio e úmido, e imaginar o desprendimento desse monge. Um funcionário local ameaçou cegá-lo se ele não aceitasse um corte dos fundos. O monge então arrancou os próprios olhos para provar sua sinceridade. O projeto só foi concluído em 803 após sua morte, quando o governador local doou o próprio salário para concluir as pernas e os pés da estátua.

Hoje Le Shan é patrimônio da Unesco.

Alguns dados curiosos:

Seus ombros medem 28 m cada; o nariz 5,6 m e cada orelha 7 metros. É um dos maiores Budas do Mundo.

O passeio pode ser feito pela montanha, existe uma entrada principal, a um custo de aproximadamente RMB 110, e todo um caminho com vários templos, esculturas, pontes e uma vista incrível. A outra opção que a meu ver complementa a primeira é de barco, esse passeio tem uma duração de 30 minutos, mas é bem legal ter a visão de frente do Buda.

Como dica, vá de tênis, leve água, frutas e algum sanduiche para você comer, faça uma “marmitinha” do café da manhã, pois lá é difícil achar até uma coca cola.

 

Adorei Chengdu, super indico, você terá uma visão da China diferente dos grandes centros turísticos.

E aí o que você achou ? Mande seu comentário para mim.

Até o próximo Lugar na China.

Zhouzhuang

 

Zhouzhuang é um vilarejo, ou old water village, no canal Jinghang, tem mais de 900 anos e preserva toda a arquitetura das dinastias Ming (1368) e Qing (1644).

A cidade fica a 1h 30 de Shanghai e a melhor opção é através de uma agência de turismo ou alugando um carro com motorista, pois estrangeiro não pode dirigir na China (é bem difícil conseguir autorização).

Chegando na cidade, existe um centro Turístico, onde você compra o Ticket para entrar na Cidade Velha e pode usar os banheiros.

Dica: leve papel higiênico com você, pois os banheiros apesar de bem limpos, não tem essa facilidade e são do tipo banheiro turco, ou seja no chão.

Zhouzhuang já foi um importante porto, especializado em seda, louças e cereais.

Ainda hoje as pessoas vivem nas antigas residências e algumas foram transformadas em hotéis para que os hóspedes possam sentir o clima mais de perto.

É comum ver as pessoas lavando panos e louças na beira dos canais.

A cidade velha pode ser visitada a pé ou de barco.

 

Entre as atrações estão o Hall da Residência da Zhang, dinastia Ming com 70 aposentos. O Templo Chengxu, é um santuário taoísta da dinastia Song (1086 a.d) e as diversas pontes de pedras.

Existe várias lojinhas com o artesanato local e guloseimas, mas se você não está habituado com o menu chinês é melhor levar um lanchinho na bolsa, pois na cidade não tem nada que seja fácil de entender.

Bjs.